Menu ×

Notícias / Opinião

A transformação do Brasil em 2018 precisa terminar em ação

Em ano de eleição, não existe momento melhor para aplicar a transformação a partir da ação

Redação - 7/06/2018 - 11:29:22

Crédito: Banco de Imagens

Dois mil e dezessete começou com um homem armado até os dentes atirando numa multidão que comemorava o ano novo em Istambul, matando 39 e deixando 70 pessoas feridas. Prenúncio de tragédias? Provavelmente.

No dia seguinte, o novo gestor de São Paulo fantasiou-se de gari e foi varrer uma praça que já estava varrida. Pouco depois, os grafites de São Paulo foram apagados dos muros pelo mesmo gestor e começaram manifestações mais calorosas. Perdemos Zygmunt Bauman e suas reflexões sobre o amor líquido que tanto fazem sentido para o tempo em que vivemos. Além dele, Vida Alves, Marisa Letícia Lula da Silva, Pedro Costa, João Gilberto, Belchior, Nelson Xavier, Luiz Melodia, Rogéria, Charles Bradley, Sérgio Sá e tantos outros.

Teve surto de febre amarela, posse de Donald Trump como o quadragésimo quinto presidente dos Estados Unidos, Eike Batista foi preso. O Carnaval chegou com gritos de Fora Temer, o Oscar premiou filmes duvidosos, a reforma da Presidência esquentou os debates e descobrimos que na nossa carne tem papelão.

A greve geral bateu na porta, Lula é condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por conta de um triplex, Temer é absolvido de suas culpas, a tensão entre Trump e Coreia do Norte tem direito à ameaças de uma guerra nuclear. Lula ou Bolsonaro? Vai ter reforma da previdência?

Com todos os escândalos suprapartidários de corrupção sistêmica dos últimos anos, já sabemos que a grande resposta tem que ser nas urnas (urnas essas que descobrimos que podem ser hackeadas).

A reforma da previdência está virando a esquina e pode ser um bom sinal para o país não quebrar. É escandaloso que classes mais baixas paguem por aposentadorias do público. Enquanto a aposentadoria média de contribuintes do INSS é de R$ 1.240, a do servidor público do poder executivo chega a R$ 7.583, sem falar das aposentadorias do poder Judiciário, com média de R$ 26.300 e do Poder Legislativo em R$ 28.547. Enquanto isso, o teto da aposentadoria no setor privado é de R$ 5.531.

Precisamos da reforma da previdência para brigar contra os supersalários, mas onde estão os políticos que querem comprar esta briga com o Poder Judiciário? A maioria deles sujos e com medo de retaliação.

Partidos políticos, ao invés de trabalharem para colocar o Brasil nos trilhos, trabalham para perpetuar no poder como briga de heróis: é Partido X vs Partido Y, azul contra vermelho, esquerda contra direita. Posicionamentos extremistas, para qualquer um dos "lados", estão ganhando vez, e isso é um reflexo da polarização que começa muito antes, dentro de cada estrutura econômica, política e social do país.

E com essa politicagem, o Brasil beira a bancarrota. De nada adianta continuar na briga de espadas sem ver a grande figura. De nada adianta apontar os erros do outro lado sem apresentarmos soluções para o todo. De nada adianta separar um país que só se constrói unido.

Nós repetimos isso todo o ano, mas 2018 pode ser o estopim para um ano de mudanças no Brasil. E em ano de eleição, não existe momento melhor para aplicar a transformação como se deve: a partir da ação.

 

Por Adriano Meirinho é CMO e co-fundador do Celcoin,

Faça seu Download

Nesta área você encontra o nosso diretório de parceiros de negócios com relatórios, pesquisas, vídeos e estudos de caso para que você possa alcançá-los para obter informações adicionais sobre os produtos e serviços que ajude a você na tomada de decisão.

Para receber o download, por favor, preencha apenas na primeira vez os seus dados e qualificação e receba imediatamente o material para leitura.

Listar todos os arquivos